sábado, 1 de dezembro de 2018

2018, o Ano do Japão no Conhecer Tudo - III Campanha Anual de Literatura do Conhecer Tudo



2016, o #AnoDaEspanha. 2017, o #AnoDoBrasil. 2018 o #AnoDoJapão.


Olá, caros leitores.

A Campanha Anual de Literatura do Conhecer Tudo (CALCT), o nosso projeto mais ambicioso, chega hoje em sua terceira edição. Fomos da Europa para América e agora aterrissando em terras asiáticas. A III CALCT inaugura o novo ano com um novo país para homenagear: o Japão, a terra do sol nascente.

Para quem não conhece o projeto principal do nosso blog, todo os anos, desde 2016, fazemos um itinerário de livros de um determinado país que é escolhido por votação pelos usuários do Google Plus. Para a enquete é pré-selecionados cinco países representando cada um dos cinco continentes do globo. Depois de escolhido o país a ser homenageado, fazemos um itinerário de livros de diferentes autores oriundos da nação homenageada e através de resenhas discutimos sobre os livros escolhidos, apresentamos seus autores e, em postagens especiais, discutimos os temas relacionados ao país e que surgem nos livros do itinerário: aspectos culturais, turísticos, históricos, sociais, etc.

Na pré-seleção para a III CALCT, cinco países estiveram na disputa: Austrália (Oceania), Cuba (América), França (Europa), Japão (Ásia) e Moçambique (África). Foram 3 meses de votação que contou com a participação de 382 pessoas. E com 35% dos votos o Japão foi escolhido para ser o país homenageado em 2018.

Durante doze meses, nos aventuraremos pela literatura nipônica. Olharemos de mais de perto para um país cheio de cultura secular que respira história e tradição enquanto se lança para a modernidade. Um país de beleza cultural e natural surpreendente.

Visitá-lo-emos pelo olhar de seus escritores e das obras por eles concebidos, conhecendo algumas das milhares de facetas do povo japonês através da literatura. E, em paralelo, falaremos também de filmes do cinema nacional.

É claro que assim como nos anos anteriores, nosso foco não será exclusivo para esta campanha, ainda mais que outros projetos exigem nossa atenção, mas será prioritário e a marca principal do Conhecer este ano.

Quem quiser dar sugestões de livros para o itinerário, fique à vontade para postar nos comentários.

Então é oficial, 2018 é o #AnoDoJapão no Conhecer Tudo e estaremos em páginas japonesas.

Atte.,
Conhecer Tudo,
01 de Janeiro de 2018, Ano do Japão.

Os livros do nosso itinerário resenhados até agora:
#1 - O Conto da Deusa - Natsuo Kirino

Sobre os autores:

Filmes do nosso itinerário:
#1

Postagens Especiais do nosso itinerário:

Listas:
#1

Abaixo você pode localizar, no mapa do Japão, os locais onde se desenrolam as tramas dos livros lidos à medida que eles são resenhados, ou as cidades de origem dos escritores no caso de tramas que se desenrolam em outros lugares reais ou fictícios. Clicando nos ícones do mapa você pode saber mais sobre o livro resenhado e conferir imagens da capa e do local da história ou de nascimento do autor.

quarta-feira, 14 de fevereiro de 2018

[Especial Zafón] O Jogo do Anjo – Carlos Ruiz Zafón – Resenha


Por Eric Silva

Diga-nos o que achou da resenha nos comentários.

Está sem tempo para ler? Ouça a nossa resenha, basta clicar no play.



“Só aceitamos como verdadeiro aquilo que pode ser narrado”.
(O Jogo do Anjo, Carlos Ruiz Zafón)

Ano passado lancei no Conhecer Tudo um especial sobre o escritor barcelonês Carlos Ruiz Zafón, onde pretendo ler e resenhar todos os livros publicados pelo autor. Alguns meses após ter relido A Sombra do Vento volto a série do Cementerio de los libros olvidados (Cemitério dos Livros Esquecidos) com a leitura de seu segundo volume, O Jogo do Anjo.

Um livro de forte atmosfera gótica e carregado de mistérios, O Jogo do Anjo explora com mais intensidade o talento de Zafón para escrever sobre o sobrenatural sem deixar de lado o misterioso e temas como a loucura e a solidão. Um livro muito bem escrito no mais autêntico estilo do escritor espanhol.

Confiram a resenha do segundo livro do Especial Zafón.

Sinopse

Em O Jogo do Anjo, voltamos à Barcelona, nos anos de 1920, para conhecer David Martín, um jovem e talentoso escritor perseguido por desgraças desde a infância. Com uma doença terminal e vendendo barato o seu talento para editores oportunistas, David vive o seu pior momento e nenhuma perspectiva de futuro. É nesse momento que surge Andreas Corelli, um misterioso editor estrangeiro que trazia consigo uma proposta irrecusável: o restabelecimento da saúde de David e uma pequena fortuna em troca de escrever um livro que influenciaria milhões de pessoas. Contudo, a medida com que prossegue o trabalho com Corelli, David descobre-se enredado a segredos perturbadores e a um rastro de sangue e mortes que vai surgindo em seu caminho..

Resenha

O enredo

Barcelona, les Rambles 1920.
Narrado em primeira pessoa, O Jogo do Anjo introduz um novo personagem ao universo de escritores malditos do Cemitério dos Livros Esquecidos, e recua no tempo até a década de 20 para contar a história de David Martín, um jornalista barcelonês que sob o pseudônimo de Ignatius B. Samson se torna um conhecido escritor de histórias policiais.

David, assim como a maioria dos personagens de Zafón, teve uma infância solitária e conturbada. Seu pai era um ex-combatente que retornou da guerra miserável e desiludido, e que logo depois foi abandonado pela esposa que nunca mais quis saber nem dele nem do único filho. Um homem truculento e envergonhado com sua condição analfabeta, que nunca conseguiu reconhecer as potencialidades do filho e não se contentava com o seu interesse pelos livros, atividade que considerava uma perda de tempo. O pouco afeto que o pequeno David encontraria seria a do livreiro Sempere (avô de Daniel de A Sombra do Vento). O velho Sempere sempre lhe presenteava com um novo livro e anos mais tarde o levaria para conhecer a colossal e secreta biblioteca de livros esquecidos.

Sozinho no mundo após a morte repentina do pai, David encontra apoio e incentivo na caridade de Pedro Vidal, milionário excêntrico e escritor boêmio que o ajuda na fase mais difícil de sua vida. Através de Vidal David conseguiria um trabalho no jornal La Voz de La Industria e conheceria Cristina, a filha do motorista de seu benfeitor.

No La Voz o rapaz se torna jornalista e depois escritor de novelas policiais que publicava ali mesmo no periódico. Após conseguir alguma fama com as histórias que escrevia para o jornal e novamente com a ajuda de Vidal, David consegue dois editores, Barrido e Escobillas, para quem passa a publicar com exclusividade.

O jovem escritor abandona o trabalho no La Voz e com o dinheiro do acordo editorial aluga um antigo casarão com fama de assombrado, onde passa a viver enclausurado em seu escritório, dedicando-se a cumprir os prazos ridículos previstos em seu contrato.

A rotina incessante de trabalho, o desejo de escrever uma obra que levasse seu nome e o pouco cuidado com a própria saúde levam o escritor a uma situação desesperadora. Mas é quando tudo a sua volta parecia ruir que David recebe uma tentadora proposta que mudaria o seu destino.

Em troca de uma pequena fortuna, Andreas Corelli, um misterioso e sombrio editor francês, propõe a David escrever um livro que mudaria o mundo. Mesmo relutante David aceita aquilo que parecia uma tarefa impossível, mas que na verdade o enreda em uma ciranda de acontecimentos, na qual estaria sempre a ponto de resvalar em um poço negro e sem fundo.

Ao longo da narrativa os mistérios entrono de Andreas Corelli se tornam cada vez mais intrincados e sombrios. Desconfiado dos reais intensões de Corelli David decide investigar a nebulosa vida do editor, enquanto um rastro de sangue vai sendo deixado pelo caminho.

Personagens importantes
Universidade de Barcelona. 1920-1930.
Muitos personagens aparecem na trama de O Jogo do Anjo e ocupam cada qual em seu momento um papel de destaque. Sendo impossível falar de todos, destacarei só os principais, que marcadamente se diferem dos encontrados no primeiro volume da série, principalmente, quando analisamos o seu narrador.
O desesperançado David é bem mais velho e maduro do que Daniel, protagonista de A Sombra do Vento, e por isso, com ele, a narrativa perde o ar de juventude que Daniel imprime no primeiro livro. Os dissabores de sua vida difícil tornaram David irônico e sarcástico, além de sínico, e essas características se tornam a armadura de defesa do personagem. Também desapaixonado e desiludido com o mundo, o protagonista só consegue se demonstrar afetuoso com os Sempere e com Cristina, sua paixão mal resolvida. Em muitos momentos da narrativa temos dúvidas sobre a sanidade do personagem e de até onde os fatos contados por ele são de fato reais ou produto de uma mente convalescente.
Em contraste a David, temos a determinada, solícita e igualmente irônica Isabella a personagem mais jovem da trama que se torna assistente do protagonista e futuramente a mãe de Daniel Sempere. De tordo os personagens ela é a mais viva e vibrante e por isso a identificação com ela é imediata. O que contrasta bastante também com altivez e inconstância de Cristina e com a timidez e continência de Sempere Filho. Em relação a este último, o futuro pai de Daniel, possui na trama presença bem mais apagada na narrativa do que no primeiro livro. O Jogo do Anjo nos mostra um Sempere mais novo, mas desde já trabalhador, cauteloso, sério e até melancólico.
A grande surpresa é o avô de Daniel, denominado apenas como Sr. Sempere. Este, ao contrário do filho, é muito mais espontâneo e vivo. Um homem bonachão e muito afável e que preenche a carência paterna e afetiva de David, defendendo-o até o fim.
Mas de todos os personagens o mais inquietante é Corelli. Figurando como um personagem central da narrativa e o principal elo que liga todos os fatos ocorridos com David, o editor francês é um homem muito bem-vestido que traz na lapela de seu paletó a figura de um anjo. Sinistro e de presença sombria, Corelli parece na trama alguém revestido de sobrenaturalidade e é, dos personagens, o mais bem construído, com vida e existência quase própria.  Sarcástico e crítico, Corelli ainda possui uma visão muito fria e clínica da vida, do homem e da humanidade o que revela nele também uma personalidade que beira a racionalidade fria e calculista dos psicopatas.
 Mais gótico e focado no sobrenatural
O Jogo do Anjo é sem dúvidas um bom livro e uma obra genuína ao estilo já consagrado do escritor espanhol, mas dentro do conjunto da série Cemitério dos Livros Esquecidos ele se difere em vários aspectos em relação A Sombra do Vento, livro que abre a coleção.
A história de O Jogo do Anjo se passa 30 anos antes dos acontecimentos narrados em A Sombra do Vento, numa Barcelona diferente daquela vivida por Daniel e anos antes de estourar a Guerra Civil Espanhola que culminaria com a instauração do regime franquista. Por conta disso, a Barcelona descrita por Zafón em O Jogo do Anjo dista bastante em relação ao primeiro livro.
O Jogo do Anjo é essencialmente mais gótico do que A Sombra do Vento e flerta muito mais com o sobrenatural. A loucura e o desalento são bem mais fortes na vida de seus personagens e por isso contrasta com a melancolia e o sentimento de perda que é bem mais forte no séquito que povoa o primeiro livro. Por essas características que eu diria que O Jogo do Anjo seria um livro mais “noturno”, mais sombrio. Acho que devido a isso que, nesse livro, Barcelona se reveste de uma áurea bem mais soturna e pesada do que no primeiro.
Parque Güell em imagem de 1900-1910, autor desconhecido.
Esse é um dos principais cenários de O Jogo do Anjo.
Era próximo ao parque criado pelo arquiteto catalão Antonio Gaudí
que se situava um dos principais pontos de encontro entre David e Corelli.
Se, em A Sombra do Vento, Barcelona é ao mesmo tempo misteriosa e bela, em O Jogo do Anjo ela se carrega com o peso de sua existência secular e demonstra-se ainda mais hostil e sombria, gótica e antiga, uma cidade cheia de seus segredos e de dramas silenciosos.

Outra distinção está na organização da obra. Muito diferente de A Sombra do Vento, onde o livro era dividido em anos que acompanham o crescimento de Daniel e o desenvolvimento desse personagem, em O Jogo do Anjo, Zafón divide a trama em três grandes atos como se assistíssemos a uma tragédia gótica.

No primeiro deles, A Cidade dos Malditos, conhecemos a fundo a história e a personalidade do narrador enquanto ele nos conta sua infância conturbada ao lado de um pai violento e intransigente, sua vida regrada e sem brilho de jornalista de pouco sucesso, a ascensão de sua carreira como escritor de histórias policiais, sua paixão desencontrada por Cristina e nos apresenta aos principais personagens que o orbitarão ao longo de toda a narrativa. Mas é nesse ato também que o mais tenebroso dos personagens do livro tem suas primeiras aparições e acompanhamos como gradualmente a vida e a saúde de David vão se deteriorando.

A partir do segundo ato, Lux Aeterna, também o mais longo, a trama vai ganhando corpo e se complexifica. Novos personagens emergem e a existência de uma teia de mistérios que envolvem Corelli e seu último escritor vão se tornando mais evidentes, porém cada vez mais sombrios e difíceis de deduzir.

Ainda assim, de todos os atos, o último e que leva o mesmo nome da obra, é de longe o mais intenso. Nele O Jogo do Anjo ganha gradativamente mais ritmo e, até alcançar os últimos capítulos, o desenvolvimento da trama ganha celeridade.

Zafón preserva nesse livro o que há de melhor em sua escrita: o magnetismo e a originalidade que marcadamente brinca com as palavras e faz construções de grande beleza estética.

A escrita de Zafón é o que acho de mais precioso no conjunto de sua obra. Ela é muito bem estruturada e flui muito bem sem nunca ser cansativa. Por vezes ela parece se aproximar do poético sem deixar de ser gótica, mas sempre segue um fluxo contínuo e compassado que me embala e me faz esquecer do que acontece no meu entorno. Mesmo quando o narrador é irônico e desapaixonado como David, ela se sobressai como algo intrínseco e muito próprio do escritor. Ainda que se mescle com a personalidade individual de cada narrador, em cada livro, a marca do autor é evidente, porque Zafón domina a arte de escrever bem.

Em conclusão

Foto: Eric Silva. Fevereiro de 2018.
O livro não produziu em mim o mesmo fascínio e arrebatamento que A Sombra do Vento porque achei que houve uma inversão na proposta inicial do primeiro tomo da série. Enquanto A Sombra do Vento é um livro realista com um enredo que flerta com o sobrenatural, O Jogo do Anjo é um livro a respeito do sobrenatural, mas com ares de realista quando nos faz duvidar muitas vezes da sanidade do narrador e logo também da pretensa natureza supra-humana de Corelli.

A solidão, a descrença, a ironia e a quase insanidade de David influencia o tom da obra, são os reflexos de sua personalidade e os principais sentimentos presentes na obra. Se A Sombra do Vento é povoado pelo sentimento da solidão e da perda, O Jogo do Anjo tem muito disso e mais a acidez da ironia de David tornando ainda mais rica a escrita originalíssima de Zafón.

Não gostei mais de O Jogo do Anjo porque havia lido A Sombra do Vento antes. Os estilos, como já disse, diferem um pouco e me deixaram confuso em relação ao que esperar dos próximos volumes: O prisioneiro do Céu e O Labirinto do Espíritos. Mas algo que me chamou a atenção é como os personagens de O Jogo do Anjo, sobretudo Corelli, parecem tão vivos, tão reais e quase palpáveis. Nunca havia ficado ansioso e desconfortável com um personagem como fiquei a cada nova aparição do editor francês. Isso mostra como a escrita do barcelonês evoluiu de um livro para o outro. Por isso fico imaginando se encontrarei um Zafón ainda mais maduro nos dois livros que se seguirão.

Contudo, mesmo os bons livros possuem pontos fracos. Em O Jogo do Anjo, o principal deles é a desproporção de velocidade entre a maior parte da narrativa e o seu desfecho. Em todo o Primeiro e Segundo Ato encontramos um desenvolvimento despreocupado com o tempo e dedicado a contar com calma e riqueza de detalhes os lances da narrativa. Porém, na segunda metade do Terceiro Ato a história ganha uma velocidade muito grande que se apodera do leitor. Por vezes somos induzidos a ler cada vez mais rápido como se quiséssemos acompanhar a celeridade do desenvolvimento do desfecho. A trama só vai retomar seu ritmo normal nas últimas páginas quando são descritos os destinos de cada personagem e o grande mistério da trama é por fim (e acredito eu, parcialmente) revelado.

Enfim, o autor repete a fórmula de uma história completa, ou seja, de enredo com desfecho fechado, o que aumenta as expectativas em relação ao volume seguinte da série, mas de um jeito diferente. A expectativa não é com o que acontecerá em seguir, mas como a história dos dois primeiros livros vão se ligar aos demais. Estou ansioso para saber como tudo se dará, mas, sinceramente, estou mais ansioso é por reencontrar Daniel e Firmino.

A edição lida é da Editora Suma de Letras, do ano de 2008 e possui 410 páginas. Abaixo você pode conferir uma prévia da última edição do livro disponível no Google Books.

Preview do Google Books


Postagens Relacionadas



segunda-feira, 12 de fevereiro de 2018

[Lista] 7 livros adaptados para o cinema em 2018


Por Eric Silva

Todos os anos dezenas de livros são adaptados para o cinema tornando em som e imagem o que o universo das letras transforma em emoção e paixão. No ano de 2018 não será diferente e muitos livros conhecidos do grande público (outros nem tanto) serão adaptados ou já estão em cartaz nos cinemas. Separamos uma lista de 7 daqueles que estão ainda para entrar em cartaz nas salas brasileiras e de todo o mundo.

Aniquilação – Jeff Vandermeer

Obra do estadunidense Jeff Vandermeer, Aniquilação é o primeiro livro da série Comando Sul e narra os acontecimentos de uma expedição formada apenas por mulheres para uma área misteriosa protegida pelo governo. Nesse lugar denominado apenas como Área X se desenvolveu uma natureza endêmica e ainda desconhecia, mas que foi também a causa da morte de diversos expedicionários enviados para lá anteriormente.

É um livro do gênero Weird Fiction (ficção do estranho) e que, seguindo fielmente a proposta literária do seu gênero, causa estranhamento. No livro fica clara a intensão de criar um enredo sobre o desconhecido, o estranho e o inominado, contudo não gostei muito do livro e expus minhas razoes em resenha publicada no começo de fevereiro. Ainda assim, o filme parece prometer grandes emoções e suas imagens psicodélicas são um convite a estar numa sala de cinema na semana de estreia.

A adaptação com o título homônimo ao livro terá sua estreia em 22 de fevereiro.


Sinopse oficial do livro: “A Área X está isolada do restante do mundo há décadas, e a natureza tomou para si os últimos vestígios da presença humana. Uma primeira expedição de reconhecimento voltou de lá relatando uma terra intocada, um paraíso edênico; a segunda terminou em suicídio em massa; a terceira, em um tiroteio dentro do próprio grupo. Até que os membros da décima primeira expedição retornaram como meras sombras do que eram antes e, após algumas semanas, morreram de câncer. Em Aniquilação, primeiro volume da trilogia Comando Sul, o leitor se junta à décima segunda expedição.

O novo grupo é formado por quatro mulheres: uma antropóloga, uma topógrafa, uma psicóloga – líder da missão – e uma bióloga, a narradora do livro. Seus objetivos são mapear o terreno, identificar todas as mudanças ambientais, monitorar as relações entre elas próprias e, acima de tudo, não se contaminarem. As mulheres atravessam a fronteira esperando o inesperado... e é exatamente isso o que encontram. ”




Roleta russa – Jason Matthews

Obra do ex-integrante da Diretoria de Operações da CIA Jason Matthews, Roleta Russa é um livro sobre espionagem e conta a história de uma mossa russa que é forçada a se tornar uma agente secreta que utiliza de táticas de sedução para alcançar seus alvos e obter informações: o pardal (Sparrow).

O filme além de muito sensual parece prometer muita intriga, grandes reviravoltas, mortes e mistérios como é bastante comum ao gênero.
A adaptação com o título no Brasil de “Operação Red Sparrow” terá sua estreia em 1 de março.


Sinopse oficial do livro: “Desde pequena, o sonho de Dominika Egorova era fazer parte do Bolshoi, o balé mais importante da Rússia. Após ser vítima de uma sabotagem, porém, ela vê sua promissora carreira se encerrar de forma abrupta. Logo em seguida, mais um golpe: a morte inesperada do pai, seu melhor amigo.

Desnorteada, Dominika cede à pressão do tio, vice-diretor do serviço secreto da Rússia, o SVR, e entra para a organização. Pouco tempo depois, é mandada à Escola de Pardais, um instituto onde homens e mulheres aprendem técnicas de sedução para fins de espionagem.
Em seus primeiros meses como pardal, ela recebe uma importante missão: conquistar o americano Nathaniel Nash, um jovem agente da CIA, responsável por um dos mais influentes informantes russos que a agência já teve. O objetivo é fazê-lo revelar a identidade do traidor, que pertence ao alto escalão do SVR.

Logo Dominika e Nate entram num duelo de inteligência e táticas operacionais, apimentado pela atração irresistível que sentem um pelo outro. ”




Todo Dia – David Levithan

A História de Todo dia, obra do estadunidense David Levithan, fala de um romance bastante inusitado e surreal.

A é uma pessoa “incorpórea” e a cada dia desperta no corpo de uma pessoa diferente. Certo dia A conhece Rhiannon por quem se apaixona, passando a viver um romance quase impossível enquanto tenta se reencontrar com a moça a cada novo dia no corpo de uma nova pessoa.

A proposta do enredo é incrível e o filme parece querer explorar ao máximo essa trama criativa e original. Não sou particularmente fã de romances, mas esse aqui parece valer muito a pena, porque te deixa curioso sobre como tudo isso vai acabar.

A adaptação com o título homônimo ao livro terá sua estreia em 23 de fevereiro nos Estados Unidos e ainda não tem data definida para o Brasil.


Sinopse oficial do livro: “Neste novo romance, David Levithan leva a criatividade a outro patamar. Seu protagonista, A, acorda todo dia em um corpo diferente. Não importa o lugar, o gênero ou a personalidade, A precisa se adaptar ao novo corpo, mesmo que só por um dia. Depois de 16 anos vivendo assim, A já aprendeu a seguir as próprias regras: nunca interferir, nem se envolver. Até que uma manhã acorda no corpo de Justin e conhece sua namorada, Rhiannon. A partir desse momento, todas as suas prioridades mudam, e, conforme se envolvem mais, lutando para se reencontrar a cada 24 horas, A e Rhiannon precisam questionar tudo em nome do amor. ”





Simon vs. a agenda Homo Sapiens – Becky Albertalli

Obra da psicóloga estadunidense Becky Albertalli, Simon vs. a agenda Homo Sapiens é um livro que fala sobre o preconceito, a aceitação e o dilema de assumir-se homossexual, sobretudo, na adolescência. Desafios que são enfrentados todos os dias pelas pessoas do grupo LGBTQ.

A adaptação com o título no Brasil de “Com Amor, Simon” terá sua estreia em 12 de abril.


Sinopse oficial do livro: “Simon tem dezesseis anos e é gay, mas ninguém sabe. Sair ou não do armário é um drama que ele prefere deixar para depois. Ele só não contava que Martin, o bobão da escola, iria chantageá-lo ao descobrir sua troca de e-mails com Blue, pseudônimo de um garoto misterioso que a cada dia faz o coração de Simon bater mais forte.
Uma história que trata com naturalidade e bom humor de questões delicadas, explorando a difícil tarefa que é amadurecer e as mudanças e os dilemas pelos quais todos nós, adolescentes ou não, precisamos enfrentar para nos encontrarmos”.



Jogador Nº1 – Ernest Cline

Obra do estadunidense Ernest Cline, Jogador Nº1 é um livro de ficção-cientifica que mistura distopia e o conceito de realidade virtual dos jogos de videogame 3D.

Numa Terra onde todos foram levados a viver uma vida subumana e tomada pela apatia, Oasis, um grande jogo virtual online, parece a única válvula de escape possível para uma humanidade em declínio.

O filme é dirigido pelo consagrado cineasta Steven Spielberg o que já é garantia de efeitos especiais fabulosos. Para quem gosta de game, de ação e de histórias futuristas, com o talento de Spielberg que dirigiu meu querido AI Inteligência Artificial dentre tantos outros clássicos da cultura POP, Jogador Nº1 parece uma boa pedida.

A adaptação com o título homônimo ao livro terá sua estreia em 29 de março.


Sinopse oficial do livro: “Um mundo em jogo, a busca pelo grande prêmio. Você está preparado?
O ano é 2044 e a Terra não é mais a mesma. Fome, guerras e desemprego empurraram a humanidade para um estado de apatia nunca antes visto. Wade Watts é mais um dos que escapa da desanimadora realidade passando horas e horas conectado ao OASIS – uma utopia virtual global que permite aos usuários ser o que quiserem; um lugar onde se pode viver e se apaixonar em qualquer um dos mundos inspirados nos filmes, videogames e cultura pop dos anos 1980. Mas a possibilidade de existir em outra realidade não é o único atrativo do OASIS; o falecido James Halliday, bilionário e criador do jogo, escondeu em algum lugar desse imenso playground uma série de Easter Eggs, e premiará com sua enorme fortuna – e poder – aquele que conseguir desvendá-los. E Wade acabou de encontrar o primeiro deles. ”





12 heróis – Doug Stanton

Inspirado na Guerra do Afeganistão, conflito deflagrado depois do atentado terrorista de 11 de setembro de 2001, 12 heróis de Doug Stanton conta a história da luta de um pequeno grupo de soldados das Forças Especiais norte-americanas contra um grupo muito maior de membros do grupo armado afegão, Talibã.

O filme parece repleto de muita ação, bem ao gosto hollywoodiano, cheio de efeitos especiais e batalhas memoráveis.

No brasil o livro ainda se encontra em pré-venda e foi publicado pela Editora Record.

A adaptação tem sua estreia no Brasil prevista para 29 de março.


Sinopse oficial do livro: “[...] a dramática história de um pequeno grupo de soldados das Forças Especiais norte-americanas que entrou secretamente no Afeganistão, depois do 11 de Setembro, e avançou para a guerra contra o Talibã. Depois do sucesso inicial em capturar a estratégica cidade de Mazar-i-Shariff, os soldados enfrentariam um revés: uma emboscada por mais de seiscentos soldados talibãs que poderia colocar todas as conquistas da campanha em xeque. Uma leitura comovente e eletrizante sobre uma vitória militar histórica. ”




A garota na teia de aranha – David Lagercrantz

Quarto livro da série Millennium iniciada pelo sueco Stieg Larsson, A garota na teia de aranha foi escrito pelo também sueco David Lagercrantz, autor responsável por dar continuidade a série inacabada de Larsson. Em A garota na teia de aranha Lagercrantz conta mais uma aventura da hacker e investigadora, Lisbeth Salander, e do jornalista e co-fundador da revista Millenium, Mikael Blomkvist, que dessa vez se envolvem com uma perigosa conspiração internacional.

A adaptação tem data de estreia prevista para 5 de outubro.


Sinopse oficial do livro: “Uma muralha virtual impenetrável: é assim que se pode definir a rede da NSA, a temida agência de segurança americana. Quando a mensagem “Você foi invadido” piscou na tela de Ed Needham, responsável pelos computadores que guardam alguns dos maiores segredos do mundo, ele custou a acreditar. A tentativa de localizar o criminoso também não trazia frutos, as pistas não levavam a lugar nenhum, cada indício terminava num beco sem saída. Que hacker seria capaz de algo assim?

Para o leitor que acompanha a série Millennium, criada por Stieg Larsson, só há uma resposta possível: a genial e atormentada justiceira Lisbeth Salander está de volta. Mas por que Lisbeth, uma hacker fria e calculista que nunca dá um passo sem pesar as consequências, teria cometido um crime gravíssimo e ainda provocado de forma quase infantil um dos maiores especialistas em segurança dos Estados Unidos? Depois de finalmente se livrar da polícia sueca e de todas as acusações que pesavam sobre si, que motivo ela teria para se atirar em outro lamaceiro político?

É o que se pergunta Mikael Blomkvist, principal repórter da explosiva revista Millennium, além de amigo e eventual amante de Lisbeth. Mas Blomkvist precisa lidar com seus próprios demônios: afundada numa crise sem precedentes, a revista foi comprada por um grupo que pretende modernizá-la. Nada mais repulsivo ao jornalista que prefere apurar e pesquisar suas histórias a ceder às demandas e ao ruído das redes sociais. Ainda assim, há tempos o repórter não emplaca um de seus furos, e por isso não hesita em sair no meio da madrugada para atender a um chamado que promete ser a grande história de sua carreira.

Presos a uma teia de aranha mortífera, Lisbeth e Blomkvist terão mais uma vez que unir forças, agora contra uma perigosa conspiração internacional. Uma volta em grande estilo da dupla que mudou para sempre os romances de mistério e aventura. ”

quarta-feira, 7 de fevereiro de 2018

#10 Lirismos: Cinzento – Florbela Espanca


Postagem: Eric Silva
Poeiras de crepúsculos cinzentos,
Lindas rendas velhinhas, em pedaços,
Prendem-se aos meus cabelos, aos meus braços
Como brancos fantasmas, sonolentos...

Monges soturnos deslizando lentos,
Devagarinho, em misteriosos passos...
Perde-se a luz em lânguidos cansaços...
Ergue-se a minha cruz dos desalentos!

Poeiras de crepúsculos tristonhos,
Lembram-me o fumo leve dos meus sonhos,
A névoa das saudades que deixaste!

Hora em que o teu olhar me deslumbrou...
Hora em que a tua boca me beijou...
Hora em que fumo e névoa te tornaste...


Sobre o autor

Florbela Espanca ou Florbela d'Alma da Conceição Espanca é o pseudônimo da poetisa portuguesa Flor Bela Lobo. Nasceu em Vila Viçosa, Portugal, no dia 8 de dezembro de 1894 e faleceu em Matosinhos, no dia de seu aniversário de trinta e seis anos (8 de dezembro de 1930) por conta de uma overdose de barbitúricos – sua terceira tentativa de suicídio. Em vida, buscou transformar sua experiência pessoal tumultuosa, inquieta e cheia de sofrimentos íntimos em poesia de alta qualidade, carregada de erotização, feminilidade e panteísmo.


Poema extraído da obra Livro de Soror Saudade, publicado em 2013, pelo Projeto Adamastor que disponibiliza obras literárias em portuguesas em domínio público.













quinta-feira, 1 de fevereiro de 2018

Ficha Técnica: A Sombra do Vento – Especial Zafón

Por Eric Silva

Título Original: La Sombra del Viento.

Gênero: Suspense.

Série a qual pertence: O Cemitério dos Livros Esquecidos (El cementerio de los libros olvidados).

Ordenação dentro da série: 1º livro de 4 (tetralogia).

Ano de publicação original: 2001

Editora da edição original espanhola: Editorial Planeta.

Selo editorial da edição brasileira: Suma de Letras.

Número de Páginas: 464

Avaliação no Skoob: 4,6 (máximo 5)

Prêmios: finalista dos prêmios literários Fernando Lara (2001) e Llibreter (2002), premiado com as Correntes d'Escritas (2006) e com o Barry Award for Best First Novel (2005).

Sinopse oficial da edição brasileira:

Barcelona, 1945. Daniel Sempere acorda na noite de seu aniversário de onze anos e percebe que já não se lembra do rosto da falecida mãe. Para consolá-lo, o pai leva o menino pela primeira vez ao Cemitério dos Livros Esquecidos. É lá que Daniel descobre A sombra do vento, romance escrito por Julián Carax, que logo se torna seu autor favorito, sua obsessão. No entanto, quando começa a buscar outras obras do escritor, Daniel descobre que alguém anda destruindo sistematicamente todos os exemplares de todos os livros que Carax já publicou, e que o que tem nas mãos pode muito bem ser o último volume sobrevivente. Junto com seu amigo Fermín, Daniel percorre a cidade, adentrando as ruelas e os segredos mais obscuros de Barcelona. Anos se passam e sua investigação inocente se transforma em uma trama de mistério, magia, loucura e assassinato. E o destino de seu autor favorito de repente parece intimamente conectado ao dele.



Livro Seguinte: O Jogo do Anjo (ficha técnica)




Ficha Técnica: O Jogo do Anjo – Especial Zafón

Por Eric Silva

Título Original: El juego del ángel                                                                                     
Gênero: Mistério

Série a qual pertence: O Cemitério dos Livros Esquecidos (El cementerio de los libros olvidados).

Ordenação dentro da série: 2º livro de 4 (tetralogia).

Ano de publicação original: 2008

Editora da edição original: Grupo Planeta

Selo editorial da edição brasileira: Suma de Letras.

Número de Páginas: 410

Avaliação no Skoob: 4,3 (máximo 5)

Prêmios: Euskadi de Plata 2008.


Sinopse oficial da edição brasileira:

Barcelona, anos 1920. David Martín tem vinte e oito anos, uma casa em ruínas e um talento para a literatura que nunca o protegeu de desgraças ou lhe trouxe qualquer glória. Com uma doença terminal e vendo o amor da sua vida nos braços do melhor amigo, David passa os dias em sua mansão lúgubre, escrevendo séries policiais e vendendo barato o seu talento. É quando surge Andreas Corelli, um misterioso editor estrangeiro com uma proposta irrecusável. Fama, dinheiro, saúde: tudo em troca de um único livro. Um livro que terá o poder de influenciar milhões de vidas. Um novo evangelho. Mas, conforme a obra se desenvolve, David percebe que existe uma conexão sinistra entre o livro que está escrevendo e as sombras que envolvem sua casa dilapidada - e que seu editor também esconde alguns segredos perturbadores. Mais uma vez, Zafón nos leva por uma Barcelona sombria e gótica, em uma trama cheia de intrigas, romance e tragédia.


Livro seguinte:  O Prisioneiro do Céu (Ficha técnica).

Livro anterior:  A Sombra do Vento (Ficha técnica).


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Últimas Postagens